Sananda - O Culto aos Mortos

Atualizado: 27 de jun.

Queridos filhos e filhas do planeta Terra! SOU SANANDA!


E como disse anteriormente, jamais me cansarei de ser grato por estar aqui novamente. No dia de hoje, onde vocês cultuam os mortos, eu gostaria de deixar algumas palavras. O que é a morte? Para vocês, motivo de desespero, sofrimento, angústia, dor, raiva; e por que não dizer para muitos, alegria, felicidade de se libertarem de um ser nocivo. Então os sentimentos são inúmeros. Cada um sente a seu jeito, mas volto a perguntar: O que é a morte?


Para muitos de vocês é o fim; o fim da estrada, o fim do caminho, o fim da convivência, o fim do amor, o fim da relação. Em linhas gerais, o fim. Para nós é um motivo de alegria, porque aquela alma mais uma vez está liberta daquele corpo que lhe aprisionava e poderá ver tudo o que fez de errado, poderá aprender; poderá estudar; poderá decidir voltar, poderá não decidir voltar; tudo dependerá do seu grau de evolução e do que o Conselho Kármico decidir.


É claro que entendemos o sofrimento da perda. Não estou aqui em momento algum tirando este fato, nem achando-o desnecessário. Viver o luto de uma morte é necessário, onde vocês sofrem pela quebra daquela relação. Então chorem, chorem muito, sintam saudade, mas não se apeguem àquela alma que se vai. Temos sempre dito isso: Cada alma faz a sua escolha, cada alma recebe aquilo que planta.


Então a morte vem por diversos motivos: por determinação da própria alma; por não cuidar de si mesma, do seu corpo físico; por colocar sua vida em risco; por decisão própria de tirar a própria vida. A morte vem de muitas maneiras e o que cabe a cada um de vocês? Respeitar aquela alma. Para muitos a morte de alguém é algo que foi proposital; aquela pessoa morreu para lhe fazer sofrer, para lhe causar dano. E aí eu lhe digo: Você está deixando seu ego falar mais alto. Por que quem planeja a própria morte para fazer mal ao outro, não daria para citar aqui todos os sentimentos envolvidos aí.


Então, este é um assunto que eu poderia falar, falar aqui, horas e horas e horas, mas não é o caso. O que eu gostaria de deixar é uma palavra só: Amor. Sejam gratos pelo tempo que viveram com aqueles que se foram. Vocês tiveram esta oportunidade, não importa o tipo de relação que tiveram. Vocês tiveram momentos felizes, tiveram momentos tristes, momentos de desentendimento, não importa; vocês viveram com aquela alma que se foi. Sejam gratos por isso.


Você ensinou muita coisa a ela e ela também lhe ensinou muita coisa. Então seja grato pelo tempo vivido juntos. Não encare a morte daquele ser, daquela alma, como um castigo para você, porque ela está lhe fazendo sofrer. Não é escolha dela lhe fazer sofrer. Ela apenas escolheu morrer, e ficaria muito feliz se você aceitasse a decisão dela. E aqui cabe uma coisa muito importante: A decisão da morte acontece antes de encarnar. A alma estabelece exatamente o que irá passar e quando irá morrer.


Então, as pessoas que estão à volta, nada têm a ver com a decisão. Casos em exceção, aqueles onde a alma provoca a própria morte, mas também eu diria, respeitem a decisão dela. Então em qualquer momento existe sempre o amor e o respeito. E se eu dissesse para cada um de vocês que muito em breve na Quinta Dimensão terão a oportunidade de estar novamente com cada um dos seres queridos que vocês tiveram? E aí eu vou lhes dizer algo: Vocês terão consciência de todas as vidas que tiveram. Então será até difícil rever tantos parentes, tantos amigos, de éons de tempo.


É claro que eles não aparecerão todos de uma vez; aparecerão os mais recentes, aqueles que vocês se lembram de terem tido contato. Mas um fato é importante: nem todos que vocês tiveram contato vocês verão na Quinta Dimensão; porque elas não serão almas de Quinta Dimensão; poderão ainda ser almas de Terceira. Mas vocês terão esta consciência e poderão ajudá-las a evoluir, mesmo sem vê-las. Apenas tendo a consciência de onde elas estão, e vocês poderão emanar todo o amor para que elas sigam o caminho da evolução; não queiram permanecer na dualidade de uma Terceira Dimensão.


Então por que a tristeza? Se a dor é muito profunda, se a dor é muito forte, estamos aqui para lhes dar colo, lhes dar apoio, lhes dar um abraço. Basta pedir, e com certeza quem pede com fé, quem pede com ternura, carinho, recebe este abraço; recebe o colo de minha mãe que afagará e secará todas as lágrimas. Gostaria muito de pedir a cada um de vocês no dia de hoje: Não sofram. Sejam gratos pelo tempo vivido com aquele ser. Relembrem momentos bons. Relembrem tudo o que vocês viveram; passem o dia rindo, se lembrando dos bons momentos; isto sim, trará alegria a alma daquele que se foi e trará o alento aos seus corações.


O sofrimento não é representatividade do amor. Chorar, espernear, berrar, gritar, para demonstrar a perda, não representa o amor. Eu diria que muitas vezes representa uma peça, uma peça de teatro, em que precisa demonstrar o desespero para que outros tenham pena; mas lá no fundo, o coração está em festa por aquele que se foi. Então sejam autênticos. Sejam gratos pela experiência de terem vivido, com aqueles que se foram.


Não é mais um momento de dor, de sofrimento. O momento de dor e sofrimento é no momento da perda e já que vocês cultuam enterrar os corpos físicos, ali acaba toda esta dor, e ela se transforma em saudade e gratidão. Não pode mais ser sofrimento. Porque quando é sofrimento você não está causando sofrimento somente a você, mas à alma que se foi também; e ela não tem paz, ela não se desliga, ela fica presa a você, porque você está mantendo o contato com ela.


Então perceba o quanto egoísta você está sendo. Respeite