Arcanjo Miguel - O Poder das Cartas de Cristo

Atualizado: 21 de jun.

Queridos! EU SOU O ARCANJO MIGUEL!


Espero sinceramente, que vocês não tenham esquecido da tarefa do dia de hoje; que foi se manter o dia sem sabor adocicado na boca. Mas preciso fazer um complemento à esta tarefa. Muitos não conseguiram. Então, para aqueles que não conseguiram, digo o seguinte: não se sintam derrotados, nem se sintam menosprezados. O grau de dependência, o grau do vício de cada um de vocês é diferente. Muitos conseguiram fazer sem problema algum; outros realmente não conseguiram, Então é como eu tenho dito aqui, as tarefas, é para que se tornem hábitos, mas como eu mesmo prego aqui, por enquanto tudo no equilíbrio. Não adianta vocês quererem ser perfeitos porque vocês não vão conseguir. Então é tudo muito brando; procurem evitar o açúcar gradativamente, para que os seus organismos se acostumem pouco a pouco. Não adianta ser tudo de uma vez só.


Existe uma dependência isto não é brincadeira, é fato e se vocês deixam totalmente de comer o açúcar, vocês podem até passar mal. Então é assim; tirem dias, escolham e resolvam: “Hoje vou consumir o menos de açúcar possível”. E com isso vocês vão perdendo essa dependência que vocês têm desta substância. É meus irmãos não é fácil, entendo que não é. Aí muitos estão se perguntando porque eu tirei o mel também, visto que o mel é natural; é porque vocês têm que perder o vício do doce, do sabor adocicado, não é do açúcar.


Esse é que é o ponto. Isto engloba os adoçantes que são altamente ruins, prejudiciais a sua saúde. Não, não venham me dizer que são feitos de açúcares das frutas ou açúcares naturais. Parem, eles foram manipulados, foram fabricados; então não têm nada de natural. Então a ideia aqui é que vocês percam essa sensibilidade ao sabor adocicado. Sim, vocês poderão manter com as frutas. Querem comer algo doce, façam o suco de uma fruta. “Ah, mas então eu nunca mais vou poder comer um doce, um pedaço de bolo, uma torta?”. Olha o que vocês pensam!


Vocês foram muito bem, convenientemente envolvidos por esses alimentos, e vocês não se veem parando de comê-los. Eu sei que é difícil, eu entendo, mas a minha proposta ainda não é tirar totalmente de vocês. O que eu sempre tenho dito equilíbrio, equilíbrio. Se vocês forem pouco a pouco tirando o paladar do doce, chegará o tempo que vocês não sentirão mais esse apelo, essa vontade pelo doce. Vocês poderão comer bolo, desde que não tenha açúcar, contenha o açúcar da fruta. A banana dá como resultado bolos saborosos com seu próprio açúcar; o abacaxi, a laranja. Se a fruta estiver doce, qualquer coisa feita com ela ficará doce, sem ter que usar o açúcar. Eu ainda não cheguei nessa classe de alimentos. Então meus irmãos, é um hábito que eu gostaria que vocês fizessem, pouco a pouco. Procurem se adaptar ao sabor das coisas, sem açúcar, para que vocês possam, ir pouco a pouco, ir deixando o vício, porque isso é um vício, não uma necessidade.


Vocês foram ensinados que precisam de açúcares, gorduras, proteínas. Açúcares – açúcar branco; Gorduras – óleos e margarinas; Proteínas – carnes animais. Tudo errado. Porque vocês têm açúcares nas frutas, gorduras nos alimentos. Vocês têm alimentos extremamente benéficos para a saúde e que possuem gordura; aquele que dá o azeite, quer gordura mais saudável? Então para que usar uma outra gordura? Para que comer gordura animal, que é mais venenosa do que todas? Proteínas, vocês têm folhas, verduras que têm proteínas, vocês não precisam da proteína animal. Então vocês foram iludidos de que precisam disso tudo.


Não, não pensem aqui que eu vou tirar tudo de uma vez, e aliás, é preciso que eu diga mais uma coisa: eu não estou mandando ninguém fazer nada, eu estou dando uma sugestão; quem achar que é válida, que quer realmente limpar a sua aura de todas as máculas que esses alimentos trazem, muito bem, faça. Agora, “Ah não isso é bobagem, eu não vou fazer nada disso”; perfeito, não há problema algum, não há problema algum. Continue se alimentando da forma que você sempre fez. Só que eu posso lhes garantir que quem procura sair desses vícios, começa a ganhar velocidade na caminhada, e vocês que não conseguem, não é que vocês não estejam caminhando, estão, mas vão continuar com a velocidade que vocês estão hoje. Então, a decisão é de cada um; vocês fazem aquilo que vocês quiserem. Sem problema. Sem problema algum.


Então hoje o assunto é para falar deste ponto da alimentação, e não, eu não vou começar a semana falando da oitava Carta. Eu não estou com pressa, eu não tenho a menor pressa. Eu gostaria de comentar um pouco mais até onde chegamos com essas cartas. Existem vários grupos de pessoas que estão lendo essas cartas. Aqueles grupos que leem e ficam comparando com o que está escrito em seus livros, e não entendem o porquê de tudo o que está sendo dito ali, não estar dito no livro religioso que vocês usam. Então, eu vou voltar um pouco no tempo. Por que Sananda falava sempre com parábolas? As parábolas são maneiras de vocês dizerem as coisas, que remetem a muitas interpretações. Cada um vai entender de acordo com o seu conhecimento, com o seu coração. Por que ele falava através de parábolas?


Vocês, para quem está lendo as cartas se lembra, que quando ele voltou do deserto, ele voltou com toda a iluminação, todo o conhecimento que ele precisava. E ele tentou passar tudo isso para o povo, mas ninguém acreditava nas palavras dele, porque todos sabiam que existia uma religião a seguir, e que ela era extremamente punitiva. Então, “Como deixar de acreditar naquele Deus que me castigava, que me fazia mal se eu não andasse na linha, para ouvir alguém que chegou agora, falando um monte de coisas diferentes?”.

E as pessoas não aceitavam o que Sananda dizia.